A resistência Kaingang presente no Acampamento Terra Livre em Brasília.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Alguns participantes do projeto “Resistência Kaingang” viajaram até Brasília para acompanhar as comunidades Kaingang no Acampamento Terra Livre.

O ATL celebrava 15 anos nessa edição que reuniu mais de 3500 indígenas. Os porta-vozes das diferentes comunidades indo a “pintar Brasília de urucum e jenipapo” como apontou Sonia Guajajara deixaram um recado bem claro para o governo Bolsonaro: suas reformas etnocídas não passaram!

As pautas se centraram principalmente no retorno da FUNAI para o Ministério da Justiça e da devolução das suas competências de demarcar as terras e da revogação do Parecer 001/2017 da AGU que institui o “Marco Temporal”, que dizer que todas as TI que foram retomadas após 1988 não poderiam ser legalmente demarcadas. As delegações indígenas se invitaram no Senado e na Câmara dos Deputados onde insistiram com firmeza nas suas demandas! Após essas reuniões, o presidente da Câmara Rodrigo Maia se comprometeu em trabalhar para desaprovar a Medida Provisória 870 que deverá ser analisada nas próximas semanas pelo Congresso.

Aconteceu também o I Encontro das Mulheres Indígenas, foi decidido que se realizará uma marcha das mulheres indígenas em agosto desse ano em Brasília com o tema decidido na assembleia: “Território: Nosso corpo, nosso espírito.”

Deixamos aqui o link do documento final do XV Acampamento Terra Livre para maiores informações.

Em relação aos Kaingang, as lideranças Luis Salvador Saci (TI Kanhgág ag Goj) e Isaías da Rosa (TI Goj Venh Xú) realizaram uma reunião com o presidente da FUNAI exigindo a demarcação das terras dos acampados no Rio Grande do Sul. Após um breve encontro, se reuniram com o secretário dos assuntos fundiários que apontou que a verba das indemnizações para os agricultores assim como todo o poder de atuação da FUNAI no que tange a assuntos fundiários foi entregue ao Ministério da Agricultura (MAPA). Em relação à TI Votouro/Kandóia nos foi indicado que o processo, por causa do Parecer 001/2017, retornou para FUNAI para revisão. A entidade se comprometeu com as lideranças a revisar o processo ainda esse ano.

No mais, sentiu-se no coração do ATL muita força, muita resistência e determinação de parte de todos os participantes!

*As fotos foram tomadas por Clémentine.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s